Archive for the ‘Drama’ Category

h1

Marley e Eu

janeiro 13, 2009

marleyeeu_2

 

Marley & Me (EUA, 2008)

 

Direção: David Frankel

Roteiro: Scott Frank, Don Roos

Elenco Famoso: Owen Wilson, Jennifer Aniston, Eric Dane, Kathleen Turner, Alan Arkin, Nathan Gamble, Haley Bennett, Clarke Peters

 

Parece que quando você perde seu cachorro só aparecem filmes de cachorro nos cinemas. Isso lembra bastante aquele surto de filmes animais que tivemos nos anos 90, imortalizados pelas aventuras de vários  filhotinhos da pesada aprontando de montão em suas altas confusões que a sessão da tarde insiste em reprisar.

 

Mas esse não é o caso de Marley e Eu que se foca mais nos ensinamentos de um cachorro ao seu dono. John Grogan (Owen Wilson) resolve dar um filhote de labrador a sua mulher (Jennifer Aniston) antes de resolverem ter filhos, eles apenas não contavam que Marley seria um monstro que destrói tudo nos lugares onde passa. O tempo passa, John é promovido para colunista do jornal onde trabalha, apesar de ficar infeliz por isso, o casal começa a procriar e mesmo assim ele não parece inteiramente feliz. A história abrange os vários anos que Marley acompanhou a família.

 

Se o meu cachorro não tivesse fugido na noite da véspera de natal eu juro que não teria chorado tanto, mas esse é o tipo de filme que manipula as pessoas mais sensíveis a chorar mesmo sem um motivo real.

E isso não é uma coisa muito boa, porque o filme não é tão eficiente na hora de mostrar as coisas que John aprendeu com Marley. Mesmo assim é um bom filme. E pessoas normais não vão chorar nele.

 

 Nota 6.5

Resenha por Priscila

 

h1

Vicky Cristina Barcelona

novembro 30, 2008

Vicky Cristina Barcelona

 

 

vicky-cristina-barcelona

 

Direção: Woody Allen
Roteiro: Woody Allen

Elenco Famoso: Scarlett Johansson, Javier Bardem, Penélope Cruz.

 

Vicky (Rebecca Hall) e Cristina (Scarlett Johansson) são grandes amigas que estão de férias em Barcelona. Vicky espera estabilidade em relacionamentos, está prestes a se casar e vai até a Espanha pesquisar sobre a cultura catalã. Cristina sempre busca coisas novas, não só em relacionamentos, mas na vida em geral.

 

Quando estão jantando em um restaurante, as duas são abordadas por Juan Antonio (Javier Bardem), que as propõe viajar com ele para fazer sexo. Vicky imediatamente rejeita a proposta, mas Cristina se interessa e convence a amiga a acompanhá-la. E esse é o ponto de partida de um complicadíssimo relacionamento.

 

O longa tem exatamente a cara de Woody Allen. Mesmo com um tema meio polêmico como relacionamento a três, o assunto é tratado de uma forma leve. O filme é curtinho e nem um pouco cansativo. A fotografia é boa, mas a trilha sonora é um tanto irritante.

 

Scarlett Johansson e Javier Bardem) estão bons como de costume. Rebecca Hall é boa, mas acaba sendo deixada no segundo plano. Mas a grande atuação do filme realmente foi de Penélope Cruz, no papel da aparentemente psicopata Maria Elena, ex-esposa de Juan Antonio.

 

Vicky Cristina Barcelona é um filme leve, divertido e interessante. É ótimo de se ver, mas não é um filme para ser aclamado, com certeza.

 

 

Nota: 9

Por Renato Valverde

h1

Nação Fast Food

outubro 30, 2008

Fast Food Nation (EUA/ Inglaterra, 2006)

Direção: Richard Linklater

Roteiro: Richard Linklater

Elenco Famoso: Greg Kinnear, Catalina Sandina Moreno, Ethan Hawke, Luis Guzman, Patricia Arquette, Kris Kristofferson, Esai Morales, Paul Dano, Wilder Valderrama, Bruce Willis, Avril Lavigne

A trama começa quando o presidente da rede de fast food Mickey’s manda seu diretor de Marketing, Don Anderson (Greg Kinnear), para investigar a presença de estrume em alguns dos hamburgueres congelados da empresa. Don acredita na integridade da empresa, e inicialmente não acredita nas estórias que contam sobre a produção desses alimentos na cidade de Cody, Colorado onde a carne do “Big One” (ou como na tradução “O Grandão”) é fabricada.

Fora dessa realidade somos apresentados também a um grupo de imigrantes que atravessam a fronteira do México em busca de dinheiro e esperança em terras americanas. O que encontram, depois da sofrida viagem, é um quarto de hotel barato e um emprego no frigorifico onde as vacas do “Big One” são abatidas. Trabalhar por lá não seria tão horrível se os tratassem como humanos, na verdade eles são pressionados a produzirem cada vez mais, e essa pressão faz alguns “acidentes” ocorrerem. Alguns funcionários da fábrica podem perder membros, deixar escapar estrume do intestino bovino e contaminar toda a carne, mas a empresa não se importa muito com isso.

Do outro lado encontramos uma adolescente idealista que trabalha como caixa numa unidade do Mickey’s, um dono de restaurante que acredita que um pouco de sujeira na comida faz bem para o organismo, um fazendeiro que é pressionado pela empresa dona do frigorifico, e algumas outras estórias menores que ajudam a montar o cenário.

Nação Fast Food é um filme incômodo que mostra todo o processo envolvendo essas famosas lanchonetes misturando ficção e realidade num estilo quase documental. Faz pensar.

Nota 8 

Resenha por Priscila

h1

Canções de Amor

setembro 22, 2008

Les Chansons D’Amour (França, 2007)

Direção: Christophe Honoré

Roteiro: Christophe Honoré

Elenco Famoso: Louis Garrel, Ludivine Sagnier, Clotilde Hesme, Chiara Mastroianni, Grégoire Leprince-Ringuet, Alice Butaud, Brigitte Roüan, Jean-Marie Winling

Ismaël (Louis Garrel) namora Julie (Ludivine Sagnier) há 8 anos, mas o relacionamento parece um pouco sem rumo com pequenas diferenças que surgiram. Julie gostaria de cartas apaixonadas e demonstrações de amor, Ismaël gosta do “amor pela beleza do gesto” e acha que seus sentimentos não precisam de razão. Eles vivem um relacionamento a três com Alice (Clotilde Hesme) que não se interessa pelo sentimentalismo da relação dos dois. Muitas vezes Alice funciona como uma ponte entre os dois, quando as palavras não são mais entendidas.

Após uma reviravolta do destino, Ismaël fica desolado e por muito tempo não vê mais motivo em se envolver novamente com alguém. Mesmo relutante em esquecer seu amor tão duradouro ele se envolve por um amor passageiro capaz de trazer novamente seu gosto apenas pelo momento e a experiência.

Os musicais estão se consolidando como um gênero diferente do que o inconsciente popular se lembrava, muitos títulos surgiram e o preconceito deve ser deixado de lado. Nesse filme a música faz parte de um conjunto harmonioso na direção de arte, combinando perfeitamente com a fotografia e o roteiro. O elenco canta todas as músicas e é guiado pelo pop moderno das canções de Alex Beupain, que conseguiu traduzir em suas melodias as turbulencias e prazeres de estar com alguém.

Nota 8.0

Resenha por Priscila

h1

Apenas Uma Vez

setembro 19, 2008

Once (Irlanda, 2006)

Direção: John Carney

Roteiro: John Carney

Elenco Famoso: Glen Hansard e Markéta Irglová

A estória é simples, um músico de rua encontra uma garota estrangeira nas ruas de Dublin e os dois passam a se conhecer através da música. Eles não consumam o relacionamento, o músico não superou seu passado e seu coração partido por outra mulher anos antes, a garota tem suas obrigações com a família. Mas impulsionado por essa nova amizade o músico começa a ter perspectivas melhores para sua vida.

O modo da música ser tratada nesse filme é uma metafora para o inicio de um relacionamento, começa devagar, um ensina ao outro algo novo e finalmente podem seguir buscando os mesmos acordes. O amor aqui é mais um processo criativo do que algo físico, e o final é algo de cortar o coração. 

O que faz essa estória diferente dos outros musicais é a sua delicadeza, o modo verdadeiro das canções serem cantadas e a simplicidade do roteiro. Sua camera quase documental transmite esse tom de verdade, além de deixar Glen e Markéta, que nunca tinham atuado antes, mais confortáveis.  Os dois já eram amigos e tocavam juntos, durante a filmagem de Apenas Uma Vez gravaram um album.

Todas as músicas mostram o sentimento dos personagens, e surgem tão naturalmente quanto os diálogos. Não há coreografias, nem alegria, mas uma emoção tão forte que se você não se identificou com as musicas tocadas, dificilmente vai se envolver pela estória.

Nota 8.5

Resenha por Priscila

h1

A Outra

agosto 25, 2008

The Other Boleyn Girl (EUA/ Inglaterra, 2008)

Direção: Justin Chadwick

Roteiro: Peter Morgan

Elenco Famoso: Natalie Portman, Scarlett Johansson, Eric Bana, Kristin Scott Thomas, Jim Sturges, Juno Temple, Benedict Cumberbatch, Eddie Redmayne.

As garotas Boleyn e seu irmão foram criadas longe da corte por seus pais junto a seu irmão. Mary (Scarlett) era bonita e bondosa, mas lhe faltava a ambição. Anne também tinha a beleza, mas era capaz de fazer “negócios” com a corte por dinheiro e poder.

Logo o tio das garotas, que era influênte na corte, arruma um jeito de colocar Anne no caminho do rei da Inglaterra, Henri IV. Porém no meio da arrogância de Anne, Henri se encanta por Mary. Enquanto Mary vivia seu breve romance com Henri, Anne passava uma temporada na corte francesa. O romance é concentido pela família até que Mary passa por uma gravidez de risco e é impedida de frequentar a cama do rei.

Anne, agora de volta da França, coloca em prática seu plano de conquistar Henri. Entre intrigas e provocações Anne o seduz a ponto de faze-lo romper com a Igreja Católica e se separar de sua mulher, criando uma nova religião.

O diretor Justin Chadwick utiliza recursos televisivos como closes e muitas, muitas tomadas externas para exibir a histórica Lacock Abbey, tornando a experiência de assisti-lo exaustiva. O que encontramos aqui é um filme morno, que utiliza pessimamente seu elenco estelar e transforma a história numa simples briga entre irmãs.

Nota 6.5

h1

O Mundo de Jack e Rose

agosto 13, 2008

The Ballad of Jack and Rose

(EUA, 2005)

Direção: Rebecca Miller

Roteiro: Rebecca Miller

Elenco Famoso: Daniel Day-Lewis, Camilla Belle, Catherine Keener, Ryan McDonald, Paul Dano, Jason Lee, Jena Malone, Beau Bridges.

Entre as décadas de 60 e 70 alguns hippies viviam em pequenas comunas tentando recriar a sociedade em pequena escala. Eles tentavam manter a utopia com seus pensamentos livres, afastando-se da sociedade de verdade.

Em 1986, quase toda a esperança dessa experiência dar certo desapareceu. Jack Slavin é o ultimo morador de uma dessas comunas e acreditava que podia criar sua filha Rose longe das influências da sociedade. Rose nunca interagiu por muito tempo com alguém que não fosse seu pai, Jack a criou para que não amasse mais ninguém além dele. Para ele, sua filha era seu maior orgulho pois era verdadeiramente livre, sem as amarras da sociedade.

No entanto, os dois são atormentados por uma doença terminal de Jack, que o faz trazer sua namorada secreta da cidade e os filhos para morar em sua casa para preparar Rose para sua ausencia. O relacionamento dos dois vai até o limite do amor fraternal, a presença de estranhos faz Rose mostrar ódio e hostilidade inocentes diante da traição ao ambiguo relacionamento de casal de Jack e Rose.

Esse filme tem um tema delicado onde o relacionamento entre pai e filha é muito ambiguo e frágil. Trata da influência que a sociedade exerce nos instintos naturais das pessoas e como alguns sentimentos surgem independentemente da inocência ou não.
Daniel Day-Lewis está fantástico como sempre, e Camilla Belle interpreta uma lolita inocente.

Nota 9

Resenha por Priscila